Margaret Pelicano

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Bem Estar



VESTIDO VELHO
Margaret Pelicano

O vestido velho e sorrateiro
na sua humildade de pedreiro
um trabalhador braçal e companheiro
veste meus dias de dona do lar...
fresquinho por assim estar a envelhecer,
cobre-me as vergonhas
quando tenho que descer com os cachorros,
ir à padaria sem mistérios e pudor,
acompanha-me na cozinha,
fica com cheiro de almoço
repete-se quase todo dia,
como jaleco de doutor...

á tardezinha, depois da luta,
o vestido generoso
vai pra máquina de lavar
tirar o suor da labuta...
...com Omo fica de novo cheiroso,
vai para passar porque não é um rei deposto,
é desejado por ser fresquinho,
alegre, sem colarinho,
com flores delicadas...
ah! vestido velho, pela manhã,
sempre uma nova alvorada,
roupa desejada
delícia de bem estar!

Brasília - 24/11/2006

Marcadores:

escrito por Margaret Pelicano às 10:43

3 Comentários:

Meg, que gracinha de poema!!!
A sua cara, amiga!!! Parece que posso te ver com seu "velho vestido", escondendo suas "vergonhas" despidas!!!
Adorei!!! Me trouxe recordações maravilhosas, recordações de sua amada amizade!!!
Fique com Deus!!! Manuella

20 de janeiro de 2009 10:47  

Olá Meg, como sempre este seu poema é bacana demais! Parabéns amiga por tudo o que vc nos dá de presente.
beijos

20 de janeiro de 2009 18:09  

oi margaret! minha mãe postou seu texto no blog dela. gostei demais.
beijos,
Isabel

10 de junho de 2009 21:02  

Postar um comentário

<< Home

poesias, contos, crônicas, cartas