Margaret Pelicano

terça-feira, 14 de julho de 2009

Confesso que vivi(Neruda)

FAÇO POESIA
Margaret Pelicano

Faço poesia por que a alma dói!
Aí escrevo, choro, sinto saudades, desejo....
Faço poesia por que não encontrei remédio
para o desapego, para o desassossego...

E nesta busca incessante de amar
e de ser amada de qualquer jeito,
controlo as ânsias que invadem o peito!
Converso comigo mesma sem preconceito...

Escrevo! Escrevo mesmo! Está na alma
esta falta de calma, esta ansiedade
por querer melhorar o mundo...

E antes tande que nunca, vou fundo:
falo de todo tipo de amor com alarde
deste amar que em meu peito arde!

Brasília - 14/07/2009

Marcadores:

escrito por Margaret Pelicano às 23:05

3 Comentários:

Lindo, Ferdinando Fernandes

14 de julho de 2009 23:08  

Lindo poema!
Bjs mil!
Marly

14 de julho de 2009 23:08  

Miga não sou de tempo de algumas coisas que descreveu
mas uma coisa é certa .. sou do tempo que se tinha vergonha na cara e graças a educação dos meus pais ainda tenho ehheeh
já mandei pra mana sister .. me lembro que era menina pequena em Niterói, que tinhamos uma lavadeira que retirava e entregava os lençois branquinhos ..não existia ( se existia, a gente não tinha ) máquina de lavar .. muitas coisas se perderam no tempo .. porém, é adaptar ou morrer ! Porém educação, carater ? esses não é possivel perder .. Beijos de adorei seu " iskrito "
Bom almoço a todos, Oilan

14 de julho de 2009 23:11  

Postar um comentário

<< Home

poesias, contos, crônicas, cartas